sábado

Capacho



domingo

Uma Noite de Play com Dominação em dose Dupla

Enfim chegara o magnífico dia de servi-los. Suas botas lamberia, beijaria seus pés, seria apenas um objeto de prazer.
Avisto-os no carro, o primeiro contato fora com a Imperatriz, que venhamos e convehamos é linda é perfeito, assim também como o Grande Imperador.
Durante o percurso, conversamos rapidamente especificamente sobre BDSM, que o elo que estamos criando, no entanto, ao chegarmos ao local, o Clima mudou... Sem sorrisos, ou simpatia era meramente naquele momento o que sou por essência, um escravo.
Seus adereços e acessórios BDSM, traziam o clima hostil e propício para degradação de um ser.








Logo sou designado que tire minhas roupas e os aguarde no primeiro espaço. Colocam sobre mim a minha máscara de dog e a Imperatriz troca a guia, pois a deles era melhor.
De joelhos, sou levemente afligido com chicote de menor porte, e ao mesmo tempo ambos tiravam fotos de minha carcaça imunda, fato que eles faziam questão de me lembrar.
Ainda de joelhos, sou posto a engraxar as botas dos Senhores, obviamente que para um escravo  com a língua.
A Senhora Imperatriz me fez lembrar que devia agradecer, afinal de contas Eles não me afligiam apenas por prazer, mas para me lembrarem minha condição.
Em nenhum momento ouso tocar-lhes, nem as botas, ate que sou levado para parte exterior para ser curado pela Imperatriz, esse momento foi desgostoso, mas escravo não deve ter prazer, minhas nádegas tremiam, meu corpo não queria, mas o meu prazer era ver o semblante de contentamento e satisfação. Determinado momento pedi por favor, implorei por clemencia já não. aguentava mais...
O Spanking foi leve, porem ao alguns momento o Imperator pegava  pesado ao me afligir com o chicote, a ponto de eu sair da posição por diversas vezes.
Quando enfim olhei seus olhos, estava deitado no chão, entretanto esta não era a intenção, e portanto apartir daquele momento fui presenteado com  chuva prateada dele, que é deliciosa.
Após este momento enquanto limpo as botas do meu Senhor, a imperatriz põe uma espécie de varetas de pipa no meu pênis, comecei então a me lambuzar de prazer naquelas botas saborosas.
Me levam novamente fora da masmorra e fico deitado no mato, enquanto reflito sobre o escravo que sou, apos uns 5 minutos as formigas, também fizeram queriam me usar... Obdecendo ordens permaneco ali, ao passo que começo a me contorcer. E então, eles vendo meu sofrimento, foram misericordiosos, me tirando logo dali.
Fico aguardando de joelhos no primeiro ambiente, quando Estes retornam, sou posto para agora dar arremate nas botas fazendo lhes brilhar. Sou posto pela imperatriz a cheirar o cheiro de suas meias, e então me senti nos campos elíseos, elixir e prazer em ser escravo.
Meu Senhor me estapeia bravamente me indangando o que sou, prazer ele instante sinto algo diferente, meu corpo treme e lhe respondo, que sou verme, escravo, capacho. Ele percebeu que atingiu meu psicológico, mas não por bem, mexer com minha mente logo na primeira sessão
Meu Senhor diz que a sessão se encerrou, me oferece água e prontamente aceito, logicamente bebia numa tigela.
No fim daquela noite, Ele me deu algumas orientações procedimentais  dos afazeres que teria para o próximo dia.
Meu Senhor, retornou para me presentear com sua chuva dourada, uma dádiva para submissos de verdade. Me arrependo alguns minutos posteriores de ter dito a Imperatriz que eles não estavam tão hards assim, pois a chuca fez com que ardesse as lanhadas  que recebi.
Começo a limpar o ambiente e principalmente as botas, não resistia, e por vezes cheirava as meias.
Levanto as 5:30 como Imperator ordenou, retiro parte do mato, ate que ele sai do seu rescinto, pergunto se Ele teve uma boa noite de sono, a resposta foi positiva e prossigo nos meus afazeres.
O Mestre me manda ir para outro ambiente onde me propõe scat, então fico sem respota por  um breve momento, mas digo que irei tentar, ao ficar na posição para receber chuva marrom no rosto, Conversamos bastante  tivemos ali o nosso feedback,  e tambem me revelou seus propositos sobre mim, contudo o fato que me chamou a atenção, é que neste mais ou menos dez minutos saia o néctar, puro, refinado e transparente. Ao ouvir sua voz, o que desejavam sobre mim, logo fiquei excitado Durante  toda a conversa. Ao longo do conversavamos ele ia  dando me ensinamentos, assim bem como, recebia Seu líquido purificador. Por fim, resolveu despejar sobre mim seu gozo, o que me senti lisonjeado.
Meu Mestre me põe de joelho
Voltei para os meus afazeres, terminando de retirar o mato. Novamente, tomei banho com Sua chuva dourada, e então ai sim fiquei mais ardido e me coçando sobre o mato.
Enfim tomei banho, e me aprontei, me despedi de longe da Senhora Imperatriz, sem a ver, pois imagino que não estava composta e o Imperator me deixou em um ponto estratégico para voltar pra casa, sem querer olhei em Seus olhos e desviei, voltamos então a conversar sobre BDSM, até que O agradeço e me despeço.
Foi uma sessão ímpar, proveitosa e bastante enriquecedora, onde pude me sentir como há muito não tempo não me sentia, um verme.


sábado

Pq temos uma cena tão fraca de BDSM no RJ?

Compilação de uma postagem feita por mim no site Fetlife, e a transcrição das respostas mais pertinentes na minha opinião.

Usuário Dalek:
"Minha humilde opinião é que BDSM é tão gueto que as pessoas se estapeiam por migalhas ao invés de tentar fazer a coisa crescer. O exemplo mais gritante disso é a forma com que os """""mais velhos"""" tratam os mais novos.
Balelas como "o verdadeiro bdsm" ou "tem que estudar muito" "bdsm é muito sério" e falas do gênero são normalmente usadas para forçar uma suposta autoridade dos antigos aos novos, uma autoridade que nem de longe é merecida.
Isso acontece em qualquer meio "você não é metaleiro de verdade" "você não é nerd de verdade" etc, criando-se o espado dos de dentro fodões e que fazem as coisas "de verdade" e os outros que tem que abaixar a cabeça, calar e obedecer.
Não se acolhe pessoas novas com o tom de "que bom que você tá aqui, fala pra gente como você vê o BDSM hoje" em oposição é "a verdade sou eu, siga o que eu falo se não você é falso".
Uma parcela significativa de perfis de dominadores adora exibir "X anos de bdsm" como se esse tempo, isolado de outras coisas, tivesse qualquer importância.
Talvez por o BDSM abraçar muita gente com problemas de auto estima, identidade, imagem etc, as opressões que essas pessoas sofreram acabam sendo refletidas dentro do espaço."
Usuário: Domjosebarbaro:
"É pq o Rio de Janeiro é a terra do erotismo , basta ir à praia , a lapa , aos bares , lá estará cheio de gente e cheio de alegrias , ainda mais com esse bdsm engessado que existe no rio , cheio de regras babacas , carioca gosta de diversão e de gente feliz , gosta do sol , gosta de bunda grande , gosta de mulherão , então camarada no rio vc terá muita putaria , mas sem tantas regras , pq carioca odeia regras , adora chinelo de dedo e alegria , eu mesmo sou praticante de bdsm e não curto nada aqui no rio , é muito cacique para pouco índio e os caciques sempre querendo levar vantagens financeiras, perde a essência quando se introduz dinheiro, essa é apenas a minha humilde opinião , não significa ser a correta , desde já abraços."
Usuário: Discreto_Lord:
Sou carioca, eu e minha esposa somos calouros no universo BDSM. Estamos tentando ingressar nessa arte misteriosa e venho enfrentando resistência dos praticantes mais antigos. Encontro muito egoísmo e soberba. Não quero generalizar e rotular todos os praticantes, já criei amizades no meio, encontrei mais simpatia na galera de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Alem, existe excelente matérias didáticos abordando sobre o assunto. Cada um com suas personalidades, ninguém é brigado a ser o que não é. Mas atitudes que tomamos influênciam no nosso meio.
Outro ponto que gostaria de salientar é quantidade de aproveitadores. Indivíduos que não sabem aproveitar as oportunidades e intimidam e desmotivam a prática."
Usuário: DomErik135:
Como citado anteriormente pelos amigos @Dalek e @Discreto_Lord realmente, há um grande problema de "veteranos x calouros", creio que isso é algo que mata o bdsm daqui e de qualquer lugar, a ideia de tempo no bdsm. Eu sempre digo que o bdsm é poesia, não liturgia (claro, sem ignorar conceitos vitais como a famosa tríade SSC) porque sei o quanto é irritante pessoas que tratam o bdsm como um livro de regras. E como dito pelo @IMPERATORBDSM, não é algo exclusivo do bdsm. Bem, algo que acho interessante de ser levado em conta são os índices de praticantes e eventos BDSM mais voltados para Centro e Zona Sul, isso pode se dar por vários fatores, mas creio que o mais provável seja a ideia do "bdsm elitizado" que filmes como 50 Tons reforçam com um dominador que anda de helicóptero, e como dito pelo @Domjosebarro em uma breve análise do Rio de Janeiro (que ao meu ver está de parabéns): "...É muito cacique para pouco índio e os caciques sempre querendo levar vantagens financeiras, perde a essência quando se introduz dinheiro...".
O debate segue no Fetlife, caso queira acompanhar, segue o link:
https://fetlife.com/groups/1959/group_posts/12173772?page=1#group_comment_111982733

quarta-feira

Erotismo + BDSM = Voltado aos Relacionamentos

Quero abordar este tema, embora muito popularizado pelos diversos tipo de mídia, principalmente em programas televisivos, normalmente os que relatam a vida noturna, digamos o submundo dos desejos ocultos, ainda enfrenta forte tabu. Por experiência e trocas de relatos e percepções de relacionamentos interpessoais, é possível notar que a maioria esmagadora dos relacionamentos está fracassada, ou fracassa no decorrer do tempo, por incontáveis motivos, alguns por desvios de caráter, mentira e falsidade, nestes casos não há do que se falar, porém no meu campo de vista, 90% do esfriamento está diretamente ligado a PERDA DE DESEJO PELA PARCEIRA/O, a convivência diária e quase que robótica, gera esta situação de declínio, perda da libido e do tesão um no outro. 

Por ser algo tabu, cercado de preconceitos, e por cultura opressora imposta pela formação religiosa dos países latinos, juntado a falta de profundidade cultural, o Bdsm é quase algo que proibido, algo visto como depravação pecaminosa. O fato é que o Bdsm cresce e toma vida em sociedades cada vez mais desenvolvidas culturalmente, vide Europa e EUA, onde há milhares de festas, eventos, interessados e praticantes que não tem medo e tampouco vergonha de viver seus prazeres de forma plena. 

O contrário vemos no Brasil, onde o Bdsm precisa ser vivido nas sombras, no noturno, e afins... onde eventos praticamente não existem, se você não morar em São Paulo, capital, você não terá acesso a bons eventos e/ou eventos medianos bem organizados. 

O que venho relatar aqui, é que esta falta de contato e popularidade, priva relacionamentos de terem aquela famosa "apimentada", a exploração de fetiches; por exemplo: o marido que tem tara em enfermeira, feiticeira, mulher gato e etc... consegue sentir prazer vendo outras mulheres, que não a sua, exercendo este papel, mas dentro da sua cabeça alimentada pelo preconceito, ele não consegue imaginar sua esposa, mãe dos seus filhos, exercendo este lado do jogo erótico. E do outro lado as esposas e os esposos, por medo e vergonha de se abrir com o outro, do julgamento que possa recair sobre sua pessoa, o medo de ser rotulado como depravado, impede progressos na relação, traz somente orgasmos mecânicos e frios, quase que sem prazer, isto é, se orgasmo vir, pq em mulheres casadas isso é praticamente inatingível com seu parceiro.

 A eroticidade de roupa de couro, de uma bota, sapatos, luvas, pés, batom vermelho, somente é explorada em filmes e videos consumidos de forma frenética por homens e mulheres casadas, nada contra isto, mas essas pessoas quase nunca pensam " Nossa, vou propor isso ao meu esposo/a, seria legal  experimentarmos", não, preferem ficar só nos videos, se contentando com a realidade a la Black Mirror, de prazer individual, rápido e sem graça, mecânico. Quanto mais elevada culturalmente for a pessoa, mais aberta será para o Bdsm e corajosa para explorar os meandros do erotismo latente que vive em cada um de nós. 

Dom IMPERATOR 



domingo

Declaração de principiante em Petplay/Dogplay

Servir alguém, servir alguém é estar de prontidão sempre que solicitado, é deixar que seu corpo pertença ao outro, ao seu Dom, e que ele possa usufruir e usar como ele bem entender, respeitando limites e a consensualidade, ser escravo/a é ter total consciência de que seu corpo e sua mente no momento da sessão pouco lhe pertencem, um bom Mestre vai te mostrar isso, mostrar que ali você é apenas um está a disposição do Servir, e servir alguém é estar entregue, ao Mestre ou a quem ele desejar, é fazer de tudo para que seu Senhor esteja sempre grato em lhe ter. Como um cão/cadela, que sempre vai atrás do osso do seu Dono, nas mãos do seu Senhor, vc se sente um cão/cadela, adestrado/a e obediente... um/a filhote ainda, com muito a aprender, mas um cão/cadela, preso na coleira que é servir ao meu Senhor.

 
 Texto de candidato a sub e edição DOM IMPERATOR.

terça-feira

Pés da IMPERATRIZ


Pés gozados







Sessão de fotos da IMPERATRIZ







           

 
               Implore, para adorar minhas botas!!!







quarta-feira

CONTOS: Carinho do Dono

 

    Ansiosa, pra receber o Dono do trabalho, quando escuto o barulho da porta vou radiante de quatro recebe-lo, com lambidas em suas maravilhosas botas sujas do trabalho
 - Boa cadela, isso mesmo minha putinha balance esse rabo pro seu Senhor, está feliz ?
 - Sim Senhor- disse sentindo o doce aroma de suas meias suadas depois de um longo dia de trabalho
 -Venha cá minha vadia empine esse rabo no meu colo, estou vendo que está muito manhosa hoje, a cada bofetada um gemido meu, minha bunda já estava bem vermelha e inchada, minha boceta toda melada a cada toque do amor em meu corpo, meu corpo pedindo mais muito mais

CONTOS: O escravo devoto


Era um lindo sábado de manhã , Imperatriz decide levar o cachorro pra passear pelo quintal, com o plug enfiado no rabo e devidamente encoleirado  acompanha sua senhora andando de quatro, ela com uma alegria sádica fazia questão de puxar com força, o capacho ficava muito feliz de ver a dona fazendo suas brincadeiras sádicas, enquanto seu Senhor terminava seu café com uma escrava aos pés servindo de tapete
A senhora decide prender o cachorro,-fique de de joelhos, tomará sol esta manhã...

-Está calor verme!? -Dizia IMPERATOR com seu sorriso sádico, depois de 2 horas no sol, ele voltava com sua Imperatriz
-Sim meu mestre-  entre gemidos e expectativa do verme masoquista
-Te darei o privilégio de se refrescar com a minha urina, abra a boca também isso vai te saciar- disse o sádico dominador
O capacho se lambuzava bebia com alegria, matando sua sede com a melhor coisa que ele beberia na vida, agradecia com devoção de cabeça baixa, sua língua imunda lambendo a bota de seus senhores
-Obrigado senhores, pelo privilégio, sempre honrarei meu lugar de poeira abaixo dos seus pés
De volta a masmorra o escravo se deita  misturando se ao chão, servindo como tapete e pano de chão, enquanto sua Imperatriz se divertia pisando e esfregando suas botas, a língua do verme servia para limpar e lustrar  as botas do IMPERATOR, o escravo sentia completo com toda humilhação de seus senhores, grato e feliz toda vez que era xingado e cuspido, a cada açoite de seus senhores era absorvido com dor e prazer com  pedidos silenciosos de mais, sentia se preenchido a cada vez que a Imperatriz o penetrava com muita força o seu pênis preto,  enquanto as costas era açoitada pelo seu Senhor, o capacho de cinto sem poder gozar (JAMAIS), era como o parque de diversão aos seus Senhores, agora preso estava feliz  ter sido tão bem usado.

                                           Abaixo dos pés dos donos, era seu lugar de paz


Arcanes Imperatriz

domingo

Comandos & Posturas


quarta-feira

Uma Imagem Vale mais do que Mil Palavras!!!


O Rito e a Liturgia em uma Sessão BDSM

***Vida Baunilha x Sessão BDSM***
Começo com o tópico levantado acima, baseado em experiências de caráter pessoal e da forma como vejo e encaro este momento quase que sagrado, um momento de desprendimento da realidade engessada, o momento em que literalmente incorporamos nossa persona de Dominador/a e submisso/a, o momento em que nos libertamos, um momento chamado "SESSÃO BDSM"!

Você pode ser quem e o que for na vida baunilha (a vida cotidiana, fora do BDSM), pode ser alguém que goste de mandar, mal humorada, respondona, autoritária e na hora que incorpora sua "persona BDSM", você virar uma cadelinha sensível com o rabinho entre as pernas, uma Kitten (uma gatinha mimosa), ou um capacho lambe botas, um verme que goste de ser pisado, levar tapas e cuspidas na cara, e se sentir realizado com isso! Pq? 

Respondo, porque durante a Sessão BDSM, você deixa de ser o João ou a Maria, você se torna o Dominador/a ou a submissa/a que mora dentro de você, que habita aquele seu lado Dark, que só você conhece, uma entrada para raros, bem trancada, de tempos silenciosa e de tempos barulhenta, que grita bem alto e te faz subir pelas paredes. (Abordarei em outro texto sobre este lado Dark reprimido).

Voltando ao início do texto, como falei, de acordo com minha visão, não suporto e acho extremamente broxante que durante uma Sessão, algo baunilha interfira, e você deve estar se perguntando, "- como asssim?", pois bem, exemplo: piadinhas fora de hora, reclamações desnecessárias, colocações fora de hora, ou seja, coisas que quebram o clima. Se em algum dia ou determinado momento você sendo Dominador/a ou submisso/a, não estiver com vontade, não faça sessão e não pratique BDSM, será como um sexo sem tesão!

Dominador/a tem que agir como Dominador/a e submisso/a tem que agir como submisso/a ( existe o caso dos Switcher, aqueles que curtem dominar e ser dominado, porém para não me prolongar mais ainda, abordarei em outro texto).

Cada um com seu cada um, mas acho absolutamente ridículo um Dominador iniciar uma Sessão BDSM, usando a ceroula velha e rasgada e o chinelo de dedo furado, sim, isso existe! Se eu fosse submisso/a correria disso, claro, os hipócritas lhe darão um monte de argumento "bullshit" dizendo que o poder está na pessoa e não na roupa e todo aquele blábláblá, mas veja bem, analise comigo, imagine você ir a um tribunal do juri e o Juiz estar com a mesma roupa que acordou, o que você acharia? Levaria a sério aquilo? Teria a certeza que ele estava preparado para aquele momento e para aquela ocasião? Eu diria que Claro que Não!

Creio que por respeito àquela pessoa que sacia a fome do seu lado Dark, tanto Dominar e ser dominado, você tem a obrigação de se apresentar da forma mais adequada para ocasião, até mesmo se o Dominante exigir que fique sem roupa nenhuma, eu particularmente sinto mais tesão e quase que exijo que durante uma Sessão, a pessoa que está sendo dominada fique completamente nua, despida de pudor e vergonha e se entregue de corpo e alma à sua persona dark.

Deixe seus comentários, será bom descobrir como pensam.

DOM IMPERATOR


terça-feira

***Submissas/os, atenção*** e ***Dom/Domme, não percam seu tempo***

Após dezenas de contatos com "time wasters" (Aqueles que desperdiçam seu tempo), resolvi abordar o tema dos "zé punhetas".
Começo a falar de um tema muito frequente e de gente sem caráter, muitas das vezes cometidos por pessoas já vividas, maduras, velhas, ou moleques de cara pra uma tela.  Depravadas e covardes, que não tem coragem de assumir e encarar de frente o BDSM, que não tem coragem de ultrapassar a barreira do papo e ir para prática! Vc deve estar se perguntando, "Hã, como assim? 

Então, vou responder da forma mais objetiva possível, os famosos "zé punhetas", um certo tipo de gente que só quer te encher o saco, sendo escravo/a, submisso/a e até mesmo Dominadores/as, aquela pessoa que só alguém pra falar coisas sujas e ficar excitado e então ir correndo no meio da conversa se masturbar e sumir, e depois aparecer um tempo depois alegando problemas, dando desculpas esfarrapadas, por exemplo: "- desculpe Sr/a, estava  dirigindo", "desculpe Sr/a, a internet caiu", "desculpe Sr/a, tive que resolver uma emergência"; E eu me pergunto: "Quem esse idiota acha que está enganando?!"

Dito isto, se você for um zé punheta de plantão, um loser, um desocupado, um depravado, uma pessoa que vivi de mimimi e sem noção, SUMA! Nem entre em contato! Vejo gente na casa dos 50 anos com esta postura, sinto vergonha alheia e nojo, se não aprenderam até agora a encarar seus prazeres, ter autocontrole e viver uma vida plena, livre de preconceitos e respeitando a outra pessoa com a qual esteja negociando uma D/s ou até mesmo uma única sessão, não aprenderão nunca!

***Submissas/os, atenção***
Se você começar a negociar com alguém, seja você submissa/o e o suposto Dom/Domme já chegue te chamando de "minha cadela", "minha putinha", "vc já é minha", "eu sou seu Dono agora", coisas do tipo, eu digo a vc, tenha o exato pensamento: "Oi, esse cara é um babaca, nem nos encontramos e já fala que sou dele", conselho que eu dou, "CORRA"! Bdsm é feito de gente normal, gente de caráter, decidida, e com sanidade, consensualidade e segurança!

Ao negociar, sempre pergunte sobre o que a pessoa pensa a respeito de ser um Dom ou sub, desenvolva a conversa, fique alguns dias, semanas, meses conversando sobre diversos temas, saiba explorar a hora em que a conversa ficará mais intensa e escolha um lugar neutro para o primeiro encontro, por exemplo uma estação de metrô, trem, barzinho, shopping, e se no primeiro contato rolar o famoso sex appeal vá em frente e enfrente a prática; Ps' sempre diga a alguém de sua confiança onde vai e onde estará e até quando irá ficar durante seu encontro, costumo dizer que "O mundo é feito de idiotas"; e sem gente sem noção".

Agora, se no primeiro contato não rolar aquela vontade e brilho no olho, não force nada, aja como uma pessoa normal em um primeiro encontro e não como uma submissa, não se submeta assim de cara! A submissão se conquista, e esta é uma Obrigação do Dom/Domme!

***Dom/Domme, não percam seu tempo***
Se do nada surge um "serhumaninho" na sua timeline do Fetlife, Verdugo, Instagram, Face... Dizendo coisas do tipo: "- Sr/a quero ser seu capacho", "- Sou seu verme, me humilha, eu imploro", "nasci para te servir", "minha alma é sua, minha Deusa".... E por aí vai...
Fica a dica "BLOQUEIE", são mais uma vez os membros dessa raça ruim, que conhecemos como "zé punhetas"! Eles farão você perder seu valioso tempo, desperdiçar sua atenção, e te fazer ficar até frustrada/o com toda ilusão da expectativa criada! 
Eles não querem nada, não querem D/s, não querem ter sessão, só querem te usar e serem humilhados com palavras sujas e irem correndo se masturbar e te deixar a ver navios, sem entender pq do nada o cara sumiu da conversa.

sexta-feira

Meu sádico devorador

  Devore me com toda sua fúria, me possua com toda sua intensidade,  me deguste com  seu instinto selvagem, me faça cavalgar sobre seu glorioso corpo, preenchendo me com toda sua essência
  Meus gemidos e gritos de prazer e orgasmo ecoam pelo quarto, estou em chamas com cada toque, beijos, lambidas, cuspe e suor, com nossos corpos misturando todos os sabores sentindo tudo em minha  língua  
  Marque com seus deliciosos arranhões, revelando tua assinatura em meu corpo, me chamando de sua puta, vadia me fazendo ter alucinações com o poder de suas palavras sobre todo meu ser
  Quero  sentir seu peso, moldando me toda em  seu corpo, em um vai e vem incessante, sufocada por seus braços, entre toda agonia do prazer, explodindo em mil em pedaços, vem minha sensação de paz, absorvendo toda sua fúria animal, com seus olhos sádicos de devorador, preciso do meu Macho pra me controlar, preciso do meu macho Alpha pra me dominar, pra me mostrar onde é meu lugar,

                           Aos seus pés é o meu lugar, meu amado dono IMPERATOR





Arcanes_IMPERATOR


O que se deve saber, o que se deve fazer

  Existe uma enorme curiosidade de se saber o que de fato é o BDSM, mas o que se deve entender além de tudo são princípios que constituem esse nosso mundo fetichista
 Libertarmos e entregamos aquilo que sempre esteve guardado, preso em nossos mais sigilosos sonhos secretos, mas em todo "grupo" e relacionamento deve se existir a CONSENSUALIDADE uma três "regras" importantes SSC (seguro, são e consensual), friso essa porque em qualquer sessão ou relacionamento (da vida até !), precisa sim ter além de tudo a consensualidade, você moça (o) que tem vontade de ser submeter, aprenda uma coisa, nada é verdadeiramente FORÇADO, sirva pela vontade de ser submisso (a), pra agradar e amar a quem você escolheu como DOM, para sentir todos os seus desejos do seu ser submisso sendo realizado, e sim a escolha é sua !... O prazer tem que ser de ambos, o seu prazer é dar prazer ao seu Senhor, mas todos nós temos aquele LIMITE RIGIDO, do que você não faria restrições tanto em dominações físicas e psicológicas
    É claro que eu, aconselho com tempo e  experiência, você abra sua mente, experimente algo novo pois no BDSM e um mundo de todo tipo de fantasia (todo tipo mesmo rs), quando realmente a uma entrega de corpo e alma, você sempre quer evoluir e saber de fato toda fantasia que existe em sua mente, mas tudo se tenta e experimenta com sanidade, onde o principal papel do seu condutor e guiar, adestrar e saber até onde se pode ir, em qualquer situação, é claro que sempre confiando quem você escolheu pra ser seu DOM, com toda segurança  que ambos devem ter um no outro, para que tudo flua de forma prazerosa nesse maravilhoso jogo hierárquico.



                                                                                Arcanes_Imperatriz